COLUNA THAISA GALVÃO

Na prévia do PV para definição do candidato a senador, entre Rafael Motta e Carlos Eduardo, ganhou, por dois votos de maioria (12×10), o voto em Carlos Eduardo. Apesar de publicamente simpático a Rafael, apesar de já ter tirado foto com Carlos, o presidente da legenda, vereador de Natal, Milkley Leite, deu uma debreada na simpatia e caiu na chave de roda da governadora Fátima Bezerra e orientou o partido a escolher Carlos.  O vice-presidente Maurício Gurgel, que já havia declarado voto em Rafael, continuou votando em Rafael, mas silenciou depois do resultado. Maurício vai assumir a presidência do PV. Milkley vai se licenciar para disputar eleição, concorrendo a uma vaga na Assembleia Legislativa. Vai bater esteira para um deputado da Federação PV/PT/PCdoB.

PV SEM VOTOS COM CARLOS

Detalhe da prévia do PV que aconteceu no sábado: nenhum dos 4 deputados do partido votou. Com mandato mesmo, que é o que importa na contagem final da votação popular, só o vereador Milkley votou. Os outros votos foram da parte administrativa do partido e a maioria seguiu o presidente.

PV COM VOTOS…

Dos deputados do Partido Verde, Eudiane Macedo já declarou que seu apoio é à candidatura de Rafael Motta. Eudiane tinha acabado de perder o pai, e não foi votar. Vivaldo Costa não tem participado de atos presenciais, mas já havia se posicionado neutro. Em Caicó, o principal prefeito da área de atuação de Vivaldo, Doutor Tadeu, vota em Rogério Marinho para senador.

COM RAFAEL

O deputado George Soares tem problema com Carlos Eduardo em Assú, vez que Carlos fez oposição ao prefeito Gustavo, seu irmão, nas eleições passadas, e foi para o palanque de Ivan Júnior, principal adversário do grupo. George tem aparecido em postagens, sempre ao lado de Rafael Motta. E o deputado Hermano Morais, que está agora no PV, ontem era do PSB, partido presidido por Rafael, e anteontem levou um dedo na cara de Carlos Eduardo. Difícil que o PV com voto esteja com Carlos Eduardo, e a prévia ‘tem, mas tá faltando’, não significa nada para a eleição do candidato governista.

ALLYSON FOCADO…

A oposição continua aguardando o palanque do prefeito Allyson Bezerra em Mossoró, para fortalecer a candidatura de Fábio Dantas ao governo. Allyson tem dedicado 100% do seu tempo à administração do Mossoró Cidade Junina, evento mais importante do município, onde prevalecem arrecadação e popularidade. Nos dois quesitos, está muito bem obrigada, e fica difícil acreditar que depois da popularidade em alta, o prefeito queira assinar embaixo um projeto com nenhuma expectativa de vitória em Mossoró. No segundo colégio eleitoral do estado, a governadora Fátima Bezerra dispara nas pesquisas e deverá repetir a vitória folgada de 2018. Sem contar que o mossoroense que elegeu Allyson não é de direita.

NA VAGA DA AL

E o prefeito Allyson Bezerra seguirá focado nos candidatos mossoroenses: Lawrence Amorim para federal e Soldado Jadson para estadual. “Vamos eleger Jadson deputado estadual. Vou trabalhar na campanha de Jadson com a mesma determinação que tive nas minhas duas vitórias”, disse Allyson à coluna. Pelo jeito o foco do prefeito, apesar do apoio ao federal, será a vaga na Assembleia.

BAIXINHO…

Na campanha de 1986, chamaram o baixinho Geraldo Melo de ‘tamborete de forró’, e ele logo adotou o apelido. Pegou um tamborete, e em cada palanque, era no tamborete que ele subia. Geraldo tinha carisma para transformar o insulto em marca de campanha. Em 2020 a então prefeita de Mossoró e candidata à reeleição, Rosalba Ciarlini, em um debate chamou seu principal adversário Allyson Bezerra de “pobrezinho”.

NÃO COLOU

Mal tinha terminado o debate o ‘menino pobrezinho’ já era marca de campanha de Allyson que ganhou a eleição. Allyson tem carisma e transformou o limão em limonada. Desde sexta-feira que os apoiadores do ex-ministro Rogério Marinho tentam transformar o “baixinho” dito por Lula se referindo a ele, em marca de campanha de senador. Mas falta carisma a Rogério e o ‘baixinho’ como marca de campanha ainda não colou.

A VOLTA DE GERALDO

Presidente nacional do Incra, começou a ser visto como um nome novo a entrar na política do Rio Grande do Norte. Mas não esse ano. A apresentação foi feita pelo presidente Jair Bolsonaro, na sexta-feira em Natal. No meio do discurso de Geraldo, anunciando entrega de títulos de terra a assentador do RN, Bolsonaro pegou o microfone e quebrou o protocolo para apresentar Geraldo. O filho de Geraldo Melo já é apontado como um futuro candidato.