Antenor Roberto, vice-governador do RN
Antenor Roberto, vice-governador do RN – Foto: Sandro Menezes

O vice-governador Antenor Roberto demonstrou, mais uma vez, a sua insatisfação com o Partido dos Trabalhadores por ter deixado o PC do B ‘de lado’ na formação da chapa da governadora Fátima Bezerra. Em entrevista ao programa Cidade Notícias, da 94 FM, Antenor reafirmou que o seu partido está bastante frustrado e que merecia um espaço na chapa majoritária, uma vez que, no seu entendimento, o PC do B escreveu sua marca na gestão Fátima Bezerra.

Referindo-se ao partido ao qual é filiado como um parceiro histórico do PT, o vice-governador lembrou que ambos os partidos estiveram juntos até nos “momentos de dificuldade do PT”. Antenor Roberto também teceu elogios à governadora Fátima. “Não temos dúvidas da importância do pré-candidato Lula. Isso a gente não discute, como não discute a necessidade da reeleição da governadora. Fico imaginando, se não fosse a governadora, a situação que o governo não ia estar. Porque ela é uma mulher que trabalha. A experiência parlamentar trouxe pra ela uma capacidade de articular uma equipe competente. Não tem assunto que ela não acompanhe, é antenada, entende de todas as pastas. É fantástico o comprometimento que ela tem com a gestão”, afirmou.

O “atropelo” foi causado, segundo ele, pela direção nacional do Partido dos Trabalhadores. “A grande pergunta que fica é por que o PC do B foi sacrificado. Isso foi um atropelo da direção nacional, uma coisa desrespeitosa. Devia levar em conta [a opinião da governadora], porque ela, várias vezes, inclusive no próprio encontro do PT, expressou como ela imaginava que seria a sucessão dela, a chapa que ela gostaria, que ela chamou a chapa dos sonhos, do coração, não lembro mais a expressão que ela usou. Eu até disse à ela que compreendo até a questão do MDB, mas porque o PC do B não está contemplado no espaço da chapa majoritária? Esse inconformismo eu me somo ao PC do B e isso é legítimo. E a própria governadora sabe que é legítima a nossa reclamação porque se dependesse dela, é claro que o PC do B teria outro assento na chapa. Então, vem esse atropelamento desses modelos de verticalização da direção nacional do PT que eu acho que é um desrespeito do PT com o PC do B”, completa o vice-governador.

Confirmando sua ‘sinergia’ com Fátima, Antenor garante que a governadora se esforçou para mantê-lo como vice. “O atropelo não precisava ser desrespeitoso a ponto de excluir, por exemplo, o PC do B da primeira suplência que já era um acordo decorrente da impossibilidade da gente permanecer na vice. Então, foi um acordo que não foi levado adiante. E isso o PC do B vai o tempo todo dizer. Um acordo q não foi cumprido e vai imputar ao PT o ônus de não cumprir o acordo. Não vamos esconder a verdade e a verdade é que o PT é devedor do cumprimento de um acordo. Esse é o fato”, concluiu o vice-governador.