Formato cruel

O formato de disputa da Série D é crudelíssimo. Não adianta você fazer uma baita campanha se não passar pelos jogos eliminatórios da segunda fase até a semifinal. E mata-mata é duro de roer e o América conhece bem a realidade. Time da Rodrigues Alves já foi eliminado quatro vezes e sempre jogando contra times inferiores. E agora em 2021 é ainda mais dura a parada, na medida em que se não conseguir o acesso para a C em 2022 fica sem disputar o Brasileiro.

Que situação

São dois caminhos para o América ter um 2022 em nível de Brasileiro. Um é conseguir o acesso e subir para a C, outro, em caso de novo fracasso no mata-mata é torcer para que o ABC suba e ele América,  herde a vaga do rival na D do ano que vem. Imaginem que situação colocaram o centenário América.

Nunca teve bicho papão

Se o leitor fizer um retrospecto dos times que tem subido da D para a C vai ver que nunca teve, principalmente nas quatro últimas edições quando o América fracassou, nenhuma máquina de jogar de futebol. O grande problema é que em jogos eliminatórios não pode vacilar, não pode dar mole para o azar. Quem sabe 2021 não é o ano do futebol potiguar recomeçar o crescimento com ABC e América?

Falta olho clínico

Carlos Gutemberg é técnico profissional de futebol, mas tem se dedicado nos últimos a um excelente trabalho de captação. Hoje trabalha no Fortaleza. Berg tem o que falta nos “contratadores” de ABC e américa, olho clinico e conhecimento. Não tem a empáfia de alguns, nem a soberba de outros. Pelo contrário, tem humildade e conhece profundamente o mercado e onde buscar jogadores jovens e promissores.

Captação raiz

No Prorrogação do Tocando a Bola da 98, Berg disse que “ não viajo para ver jogadores em estádios bonitos ou em gramados luxuosos. Busco jogadores em campo de terra, no interior do Rio Grande do Norte, da Paraíba. Vou atrás o que os clubes não fazem”. Carlos Gutemberg trabalhou no Sport durante muito tempo e agora está no Fortaleza. Mas não é visto por ABC e América. Quem está certo? Sport e Fortaleza, times de Série A e com estruturas de ponta ou ABC e América enterrados na Série D?

ABC está na frente

A bem da verdade, o ABC mantém uma estrutura muito melhor que a do América quando o assunto é base. Alvinegro tem revelado jogadores, tem negociado e agora busca estruturar um CT para as bases e buscar o selo de Clube Formador da CBF, uma garantia que evita ação de empresários e/ou intermediários inescrupulosos que rondam as bases.

América é uma caixa-preta

A categoria de base do América é uma verdadeira caixa-preta ou seria caixa de Pandora? É porteira fechada que não revela, que não trabalha e que não deixa ninguém entrar. Que mistério existe lá dentro? Qual a dificuldade de um investimento sério e profissional nas bases do América?