Omar Aziz
Senador Omar Aziz (PSD-AM), presidente da CPI da Covid – Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado
A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid recuou e decidiu retirar da pauta a quebra do sigilo bancário da rádio Jovem Pan. O requerimento, apresentado pelo relator da comissão, Renan Calheiros (MDB-AL), provocou críticas de outros senadores e de organizações de veículos de imprensa.

A decisão foi anunciada pelo presidente da CPI, Omar Aziz. Ao Broadcast Político, ele afirmou que não há “nenhum fato” que justifique a quebra do sigilo bancário da emissora. “Seria entrar na mesma linha do Bolsonaro: quando discorda de alguém, esculhamba”, afirmou o senador. Em coletiva de imprensa, Omar Aziz afirmou que não caberia à CPI acessar o sigilo de uma emissora de rádio.

No pedido, Renan citou a Jovem Pan como um “grande disseminador” de fake news e vinculou a medida a um conjunto de requerimentos para quebrar o sigilo bancário de portais na internet e integrantes do chamado “gabinete do ódio”. O argumento é apurar o financiamento de informações falsas na pandemia de covid-19.

De acordo com Omar Aziz, no entanto, Renan Calheiros não sabia da apresentação do requerimento e atribuiu a autoria à assessoria. No domingo, 1, a Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (Abert) divulgou uma nota de repúdio à tentativa de quebrar o sigilo bancário da rádio. Além da Abert, a Associação Brasileira de Rádio e Televisão (Abratel) também se manifestou contra a iniciativa.