Em coletiva realizada na noite desta quarta-feira, 15, a Polícia Federal informou que Amarildo da Costa de Oliveira, conhecido como o Pelado, confessou ser o responsável pela morte do indigenista Bruno Pereira e do jornalista britânico Dom Phillips, no Amazonas, desaparecidos desde o último dia 05 de junho quando retornavam de barco ao município Atalaia do Norte (AM).

Mais cedo, a Polícia Federal encontrou restos e partes de corpos humanos enterrados na região onde estão sendo feitas as buscas pelos corpos de Pereira e Phillips.

A informação foi divulgada pelo Ministro da Justiça e Segurança Pública, Anderson Torres, por meio do twitterr. Policiais federais e outros agentes de segurança partiram de barco com um dos suspeitos presos para uma área apontada onde estariam os corpos do indigenista e do jornalista.

Reprodução twitter

A identificação pericial que vai determinar a identidade das vítimas ainda será realizada.

O indigenista brasileiro Bruno Araújo Pereira e o jornalista inglês Dom Phillips, colaborador do jornal The Guardian, desapareceram no último dia 5 – Foto: Redes Sociais/Reprodução

Nesta quarta-feira, a justiça decretou a prisão temporária por 30 dias de Oseney da Costa de Oliveira, um dos suspeitos do desaparecimento do indigenista Bruno Pereira e do jornalista britânico Dom Phillips.

Oseney que é irmão de Amarildo da Costa confessou participação na morte dos dois e confirmou que o mesmo também esteve no local do crime.

As buscas por vestígios de Pereira e Phillips estão concentradas num trecho do rio entre São Gabriel e a comunidade Cachoeira.

A Polícia investiga a suspeita de homicídio qualificado. A investigação aponta, até agora, para a pesca ilegal na região e os conflitos ocorridos em decorrência de atividades ilegais  como pano de fundo do suposto crime.