Gabriela Samandello prestou depoimento e falou que teme por sua vida – Foto: Reprodução/TV Tribuna

A Justiça decretou a prisão preventiva do procurador Demétrius Oliveira de Macêdo, que espancou a colega de trabalho e procuradora-geral no município de Registro, interior de São Paulo, Gabriela Samadello Monteiro de Barros. O pedido foi apresentado na tarde desta quarta-feira (22), na 1ª Vara Criminal da cidade, pelo delegado Daniel Vaz Rocha, que está responsável pelo caso.

No pedido, o delegado apontou que o acusado “vem tendo sérios problemas de relacionamento com mulheres no ambiente de trabalho, sendo que, em liberdade, expõe a perigo a vida delas, e consequentemente, a ordem pública”.

Segundo a Polícia Civil, a investigação instaurada para apurar o caso reuniu fotos e vídeos da agressão, além de depoimento da procuradora-geral para fundamentar o pedido de prisão preventiva. Em depoimento nesta quarta-feira, 22, Gabriela Samandello revelou que teme pela reação futura do agressor diante da repecussão dos fatos. “Acho que ele é capaz de qualquer coisa. Quem comete uma atrocidade dessas em uma repartição pública pode me encontrar na rua e enfim, eu temo pela integridade física, pela vida”, afirmou.

RELEMBRE O CASO

A agressão aconteceu na tarde da última segunda-feira (20), na sala da procuradoria geral do município de Registro (SP), dentro da prefeitura. A ação filmada por outra funcionária mostrou que o Procurador Demétrius Oliveira desferiu socos e chutou a colega, que estava trabalhando quando foi surpreendida pelo ataque.

Segundo consta no Boletim de Ocorrência (BO), ele a agrediu primeiro com uma cotovelada na cabeça e continuou com socos no rosto. A procuradora informou ter tentado se defender e, inclusive, recebeu ajuda de uma funcionária, que foi empurrada contra a porta e bateu as costas na maçaneta.