“PACTO PELA RETOMADA”

Os economistas mais renomados já começam a enxergar com pessimismo com o cenário brasileiro no período pós-pandemia e defendem cada vez mais a participação do Estado na retomada econômica. O agravamento da crise política, a sinalização para a queda do Produto Interno Bruto (PIB), o desemprego passando a marca dos 14% e a inflação galopante são alguns dos fatores que desanimam o mercado. Mas nem tudo está perdido. Desconfio que há também um movimento político de pregação ao caos, que pode ser vencido por uma força tarefa governamental, em parceria com a iniciativa privada. Uma espécie de “Pacto pela Retomada”.

Há um movimento silencioso, adormecido, de consumo reprimido, que também deve ser considerado. A economia tende a receber maior volume de dinheiro com o retorno da população às rotinas presenciais, eventos, reuniões, entre outras atividades. Também, historicamente, o último trimestre do ano é mais movimentado em todos os segmentos, seja na indústria, no comércio, turismo ou serviços. Como estamos saindo de uma crise sem precedentes, sozinhos, estes movimentos não sustentam a retomada. Precisamos nos unir, provocar um debate e a construção de um plano emergencial, efetivo, envolvendo todos os atores, para dialogarmos a respeito da necessidade de traçar caminhos estratégicos para que o Rio Grande do Norte volte a crescer.

A governadora do Rio Grande do Norte Fátima Bezerra (PT) precisa liderar este movimento, convocando as entidades empresariais e adotando medidas que possam acelerar o impacto econômico, como por exemplo, o incentivo para a retomada de eventos e um programa de atração de investimentos através de uma política fiscal competitiva, o que já vem sendo feito mas pode ser ampliado e publicizado. Um “pacto pela retomada” que conte com apoio real de diversos parceiros importantes como a Federação das Indústrias do Estado do RN (FIERN), Sistema FECOMERCIO-RN (SESC E SENAC), SEBRAE-RN, FCDL-RN, CDL Natal, CDL Mossoró, FAERN, OAB-RN, LIDE-RN – Grupo de Lideranças Empresariais, entre outros.

Precisamos unir forças para a superação desse momento desafiador. Que seja dado o primeiro passo.

MAIS RN

O MAIS RN, projeto liderado pela FIERN, passa agora a acompanhar semanalmente os indicadores econômicos mais importantes do país. Com essa nova plataforma digital, a Federação expande painéis do Observatório da Indústria e lança o “MAIS RN e o Boletim Focus” que é atualizado semanalmente pelo Banco Central. Os indicadores acompanhados nesta nova plataforma e atualizados todas as segundas-feiras são IPCA, PIB, CÂMBIO e SELIC.

VAREJO

O comércio varejista de artigos do segmento de vestuário e acessórios vem batendo recorde de formalizações no RN e findou o primeiro semestre como a atividade que mais registrou a criação de empresas na primeira metade deste ano. Já são mais 13 mil negócios cadastrados como MEI. Foi o que revelou o Sebrae no RN ao analisar o desempenho dos pequenos negócios com base em dados da Receita Federal e do Caged. Os resultados mais relevantes estão disponíveis para consulta ou download no Portal do Sebrae (www.rn.sebrae.com.br) na seção ‘Estudos e Publicações’.