Lifelong Learning. Vasculhei a memória e alguns arquivos na tentativa de identificar quando foi  a primeira vez que tive contato com essa expressão, mas não encontrei. A data, neste caso, não importa muito porque ela só marca o encontro entre o hábito já cultivado e a descoberta de um conceito que o definia. 

O processo de formação por meio da aprendizagem contínua, que define a expressão, é marca da minha trajetória pessoal, porque sempre foi claro para mim que a apreensão de conteúdo e a formação do conhecimento nunca se daria por uma explicação cujo objetivo é apenas orientar e deixar a par de determinada situação. O desenvolvimento pessoal requer mais e precisa ir além das dicas norteadores que um especialista de área é capaz de oferecer. 

Reconhecer que todo especialista tem uma lista de referências que o constituem é explicativo do fato de cada uma deles estar aonde está. Isso significa dizer que uma referência em determinada área de conhecimento não se faz do dia para noite, visto ser resultado do conteúdo que consome, do qual se apropriou ao longo da vida e das experiências vivenciadas. 

Não é por acaso que as redes sociais são grande fonte de dados para negócios a serem desenvolvidos e/ou aprimorados, pois as informações que eu e você compartilhamos são a matéria-prima desse trabalho. Sim, é pelo compartilhamento de informações que a sociedade identifica comportamentos, tendências, novas oportunidades de negócios, constrói e atualiza conhecimentos. Mas, para que isso aconteça de maneira sustentável é preciso ter fundamentação consistente, pois, como Steve Jobs costumava dizer, precisamos saber ligar os pontos entre os fatos que parecem não ter conexão entre si, mas que, sob o olhar mais atento, representam oportunidades até então inimagináveis. Essa análise pressupõe uma bagagem cultural que a precede.

E se o grande ativo da sociedade contemporânea é a informação, quanto mais aprimorada ela for, mais o detentor desse conhecimento terá destaque entre os pares. Mas, a questão é, como construir esse conhecimento? 

Apesar de vivermos a era do imediatismo, é o que vai de encontro a isso que permite a construção de conhecimentos que vão além da superficialidade dos atuais 280 caracteres de um tweet, por exemplo. 

Acredite, não existe segredo, mas sim trabalho consistente e disciplinado para a construção de conteúdo e repertório pessoal que, inevitavelmente, passa pela leitura e o desenvolvimento da capacidade de concentração. Não existem atalhos. 

Se o objetivo é dar sentido à construção da própria trajetória, identifique as pessoas da área de atuação com a qual se identifica, conheça e busque as referências delas, ouça palestras, assista vídeos, tendo em mente que esse contato é ponto de partida para uma prática a ser desenvolvida por toda a vida. Por isso, cada contato deve ser visto como ferramenta a ser utilizada no processo de formação continuada que leva ao conhecimento aprofundado dos temas de interesse.

E se fosse possível não obter nenhum ganho do processo de leitura, o aprimoramento da capacidade de concentração que esta prática exige já é muita coisa em um período no qual estar presente é um desafio constante.