Sérgio Mamberti morre aos 82 anos em São Paulo
Sérgio Mamberti morre aos 82 anos. Foto: Reprodução

O ator Sérgio Mamberti, de 82 anos, morreu na madrugada desta sexta-feira, 3, em São Paulo. Ele estava internado com uma infecção nos pulmões em um hospital da rede Prevent Sênior e teve falência múltipla de órgãos. Em julho deste ano, Mamberti já havia sido hospitalizado para tratar de uma pneumonia e chegou a passa por uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

Ator, diretor e artista plástico, deixou sua marca na dramaturgia brasileira no teatro, cinema e televisão. Também se notabilizou como ativista político, chegando a ocupar cargos ligados ao Ministério da Cultura durante os governos Lula e Dilma, como o de presidente da Funarte.

Leia mais:
Dani Cruz lança o EP “Elas Querem Samba” com composições inéditas

Seu papel mais lembrado é provavelmente o do personagem Dr. Victor, de Castelo Rá-Tim-Bum (1994), que marcou gerações de pais e filhos com o bordão “Raios e trovões”. Em entrevistas, costumava citar o personagem como um “alter ego”, que causava simpatia e lembranças nos mais variados grupos de pessoas, como crianças, membros da comunidade LGBT ou indígenas.

Outra interpretação marcante foi a do Mordomo Eugênio, o culto funcionário de Odete Roitman (Beatriz Segall) na novela Vale Tudo (1988). O personagem fez sucesso além do público brasileiro: no começo dos anos 1990, durante uma viagem a Cuba (onde uma versão dublada havia acabado de ser exibida), Mamberti foi recepcionado como hóspede oficial de Fidel Castro e chegou a ser ovacionado pelo público nas ruas.

Mamberti nasceu em 22 de abril de 1939 e,durante a juventude, frequentou a Escola de Arte Dramática da Universidade de São Paulo (USP). Foi à época em que estava no primeiro ano de seus estudos que seu nome figurou no Estadão pela primeira vez, em 12 de dezembro de 1958, quando interpretou o “Moço da Cadeira” em montagem de Auto da Barca do Inferno.